Fora da Agulha – Clássicos do funk melódico perdem energia em álbum de Luana Carvalho

Depois de sambar no Baile de Máscara (2020), onde visitou a obra de sua mãe, a sambista Beth Carvalho, a cantora carioca Luana Carvalho se direciona agora para o funk. Lançado nas plataformas digitais, Segue O Baile leva a estética da MPB contemporânea, com produção de Kassin, ao encontro do som dos bailes da década de 1990, onde o funk melody imperava.

Compartilhe:
Ler mais

Progressivando: Amon Düül II – Carnival in Babylon (1972)

O que fazer quando a identidade cultural do seu país está manchada pelo nazismo? Como buscar referências e ser autêntico sem poder se espelhar em nada que está ao seu redor? Amon Düül II foi uma das irreverentes bandas alemãs que conseguiu achar um caminho muito digno para essas respostas, e o assunto do Progressivando de hoje é Carnival in Babylon, quarto álbum do grupo lançado em 1972.

Compartilhe:
Ler mais

Os discos da semana #46 (09/01 a 15/01)

Chegamos a terceira semana de janeiro com vários lançamentos de peso. Tem disco aqui no meio que andam chamando até de disco do ano! #descubra

Compartilhe:
Ler mais

Waly Salomão entre o jogo e a confissão – Autoria, composições e intérpretes

Waly Salomão (1943 – 2003) foi poeta, letrista, performer, diretor de shows. Nascido em Jequié (BA), de mãe baiana e pai sírio, sincretizou origens, histórias, referências. Dono de uma poesia cuja força se dá na multiplicidade, no entrecruzamento de vozes, Waly afirmava que o poeta é senhor da linguagem. Neste artigo, apresentamos um pouco da sua trajetória como letrista, ora fundindo-se aos seus intérpretes, ora reivindicando a autoria de suas letras. Queremos mostrar que, embora aparentemente opostas, elas buscam um mesmo propósito: a autonomia da voz.

Compartilhe:
Ler mais

Clube do Balanço buscou traduzir em estúdio energia dos shows através de Balanço Na Quebrada

Comemorando seus 20 anos de carreira, em 2019 o Clube do Balanço gravou seu quinto disco, Balanço Na Quebrada, o primeiro desde 2014, com repertório autoral. Com muita influência dos grupos de samba-jazz e samba-rock das décadas de 1960 e 1970, o conjunto consegue misturar timbres de piano elétrico e arranjos de sopro com a percussão característica do samba.

Compartilhe:
Ler mais

Dona Onete fez de Banzeiro álbum em que se comunica com o Brasil no idioma do Pará

Com a carreira iniciada aos 73 anos, com o álbum Feitiço Caboclo, Dona Onete chegou ao mercado fonográfico com o respeito de uma grande artista, não só por uma voz de muita presença apesar da idade, mas também pela qualidade de suas composições. Quatro anos depois, a cantora gravou Banzeiro, seu segundo trabalho, em que divide sua poética romântica e festeira entre banguês, carimbós e boleros.

Compartilhe:
Ler mais

Paraíso da Miragem é vôo de Russo Passapusso longe do Baiana System, mas com a mesma bagagem

Até o lançamento de Duas Cidades (2016) a explosão sonora e visual do Baiana System ainda não havia mostrado toda a sua força, apesar de já experimentar a fórmula que trouxe tanta relevância ao trabalho da banda: a união de todos os santos da Bahia através da guitarra baiana com o formato contagiante dos sound systems jamaicanos. Hoje, seis anos após o lançamento do primeiro álbum solo do vocalista Russo Passapusso, Paraíso da Miragem, a banda soteropolitana é uma das manifestações mais importantes da música brasileira contemporânea.

Compartilhe:
Ler mais