Os discos da semana #04 (21/03 a 27/03)

Salve galera da quarentena, aqui é Vitor Silveira trazendo os lançamentos fresquinhos pra te manter os ouvidos saudáveis enquanto vocês estão em casa.

Liga a caixa de som, ou separa os fones, e taca o play!


Bob Dylan – Murder Most Foul (single)

De surpresa, Bob Dylan tuitou o seguinte: “Saudações aos meus fãs e seguidores com gratidão por todo o seu apoio e lealdade ao longo dos anos. Esta é uma música inédita que gravamos há um tempo que você pode achar interessante. Fique seguro, fique atento e que Deus esteja com você.” com o link desse single de quase DEZESSETE MINUTOS (!) sobre o assassinato de John F. Kennedy e a época em que aconteceu. Solta o play com a letra do lado!


Childish Gambino – 3.15.20

Mais uma surpresa que rolou, Donald Glover lançou um site – https://donaldgloverpresents.com/ – no domingo (15/03). Hoje o site contém um link para escutar o disco nas plataformas disponíveis, no domingo o site tocava o disco em loop, durou 24h até tudo sair do ar. Finalmente, sexta passada, o disco chegou de fato com o nome de 3.15.20, data que o Donald Glover vazou o próprio disco!


CHS – Tudo Pode Acontecer

Segundo disco do rapper carioca CHS com participações de Juyé, Akira Presidente, BK, SIQ e Torres com capa inspirada no clássico Liquid Swords, do GZA! Em entrevista ao RAP RJ, o cara manda a ideia: “nesse disco, tentei mostrar o máximo da minha capacidade de criar sons diferentes. Sair da zona de conforto, abordar temas e melodias diferentes. Acho que vou conseguir surpreender o público, essa é minha maior intenção”. Aliás, vai lá no RAP RJ ler a entrevista completa enquanto escuta o disco!


Dirty Projectors – Windows Open EP

EP curtinho e intimista do Dirty Projectors! As músicas soam mais intimistas do que a maior parte da discografia da banda. As músicas foram produzidas e mixadas por Dave Longstreth, vocalista e guitarrista da banda, os vocais ficaram com a Maia Friedman, guitarrista da banda!


Igorrr – Spirituality and Distortion

Mistura death metal, breakcore, música barroca, dubstep e tudo que existe nesse meio. Esse é o Igorrr, conseguiu imaginar? Não? Só escutando mesmo. Esse novo disco é todo permeado também por música oriental tradicional, que foi gravada de forma orgânica, nada de programação. Destaque para a participação do George “Corpsegrinder” Fisher, vocalista do Cannibal Corpse!


Lingua Ignota – O Ruthless Great Divine Director (single)

Kristin Hayter é a artista por trás do projeto Lingua Ignota. Nele ela mistura música clássica com black metal, música barroca com eletrônico e várias outras camadas que um ouvido mais atento vai sacar. Nesse novo single ela “aborda e personifica o hipócrita e o falso profeta. A polícia santíssima, o amigo ou a comunidade que se afasta ou se opõe quando as coisas ficam difíceis, medos e desinformação generalizada”. Alguém aí também lembrou daquele cara que se diz presidente do Brasil?


Nine Inch Nails – Ghosts V: Together / Ghosts VI: Locusts

Nine Inch Nails é uma das minhas bandas favoritas, mas qualquer coisa que eu pudesse falar aqui soaria menor que esse release lançado junto com os discos:

“Amigos

É uma época estranha…

À medida que as notícias parecem se tornar cada vez mais sombrias a cada hora, nós nos encontramos oscilando selvagemente entre sentir que pode haver esperança e nos desesperar-mos – muitas vezes mudando de minuto para minuto. Embora cada um de nós se defina como antissociais que preferem ficar a sós, essa situação realmente nos fez apreciar o poder e a necessidade de conexão.

Música – seja ouvindo, pensando ou criando – sempre foi a coisa que nos ajudou a passar por qualquer coisa – boa ou ruim. Com isso em mente, decidimos varar as noites e terminar esses discos ‘Ghosts’ como uma forma de ficar razoavelmente sãos.

Ghosts V: Together é para quando parece que tudo vai dar certo, e Ghosts VI: Locusts… bem, você vai descobrir.

Criar isso nos fez sentir melhor, e é bom compartilhar música. Ela sempre foi uma forma de nos sentirmos um pouco menos sozinhos no mundo… Esperamos que faça isso para você, também. Lembre-se: todos estamos juntos nessa e vai passar.

Esperamos ver vocês novamente em breve.
Sejam espertos, fiquem seguros. E cuidem uns dos outros.

Com amor,
Trent Reznor e Atticus Ross”

Você pode baixar o disco de graça direto do nin.com!


Pabllo Vittar – 111

Segunda-feira (23/03) o assunto mais comentado no Twitter era o vazamento do disco da Pabllo, não demorou e no dia seguinte lá estava o disco lançado em todas as plataformas digitais. No mesmo dia TODAS as músicas do disco já estavam entre as 100 mais ouvidas no Spotify! E olha que o disco nem era uma surpresa tão grande assim, seis das nove faixas já haviam sido lançadas num ano passado, inclusive em EP que entrou nos nossos melhores do ano lá no Disconversando. Em breve tem a Pabllo no Coachella, só sucesso!


Pearl Jam – Gigaton

Primeiro disco em sete anos do Pearl Jam, só isso já é motivo de sobra pra ir escutar agora mesmo! Melhor do que eu, Mike McCready (guitarrista da banda) pode falar melhor sobre o disco: “fazer esse álbum foi uma grande jornada. Foi obscuro emocionalmente e confuso por vezes. Mas, ao mesmo tempo, foi uma trajetória emocionante e experimental para a redenção musical. A experiência de trabalhar com meus companheiros de banda em Gigaton me proporcionou mais amor, consciência e conhecimento da importância das conexões humanas nesses momentos”.


Ringo Deathstarr – Ringo Deathstarr

Eu não sei vocês, mas adoro o nome dessa banda! Ainda lembro quando escutei pela primeira vez, foi logo no lançamento do primeiro disco da banda, o Colour Trip, lá em 2011. Eu torci pra banda ser boa só pelo nome! Cinco anos depois do último disco, Pure Mood (de 2015), a banda volta com ares ainda mais etéreos, prefeito pra quem gosta de Slowdive e My Bloody Valentine!


Samantha Jones – Manifesto (single)

Segundo single da Samantha Jones, lançada pela produtora Pomar. Artista novíssima pra quem tá com vontade de novidade nessa quarentena, solta o play e fiquem ligados no instagram dela, sempre tem novidade por lá!


Sufjan Stevens e Lowell Brams – Aporia

Pra quem não conhece, Lowell Brams é o padrasto do Sufjan Stevens, que já o homenageou no disco Carrie & Lowell, de 2015 (Carrie era o nome da mãe do Sufjan, falecida em 2012). Foi Lowell percebeu o talento musical do, ainda criança, Sufjan e deu aquele empurrãozinho, fazendo mixtapes e apresentando artistas/bandas pro garoto. Foi Lowell que deu de presente o primeiro teclado e o primeiro gravador de 4 canais pro Sufjan. E finalmente, quando Sufjan decidiu lançar o primeiro disco (A Sun Came, 1999), Lowell fundou uma gravadora, a Asthmatic Kitty Records! Agora, com Lowell se aposentando da gravadora os dois se juntam para lançar Aporia, um apanhado de jams sessions da última década. Sonoramente o disco chega bem perto de uma trilha sonora no pique das coisas de Blade Runner!


Warmest Winter – Love in the Times of Covid-19, Vol. 1

Warmest Winter é uma das melhores bandas em hiato que existe! Tive a sorte de ver pelo menos uma vez ao vivo antes do Tiago, vocalista e guitarrista da banda se mudar para o exterior. Consta no release de lançamento que essa duas músicas fariam parte de um disco, mas a banda, que atualmente é só o Tiago, decidiu lançá-las como um EP. Foi divulgado também que próximas semanas ou meses devem sair mais músicas, fiquem ligadinhos!


Waxahatchee – Saint Cloud

Katie Crutchfield chega com mais um disco maravilhoso! Ao contrário do disco anterior (Out in the Storm, 2017), esse é um disco mais leve, sem entrar naquela pegada rock, aqui é o blues e a americana que dão o tom!


Vitor Silveira
Últimos posts por Vitor Silveira (exibir todos)

Vitor Silveira

Vitor Silveira, é graduado em Biblioteconomia pela UFRJ, e também tem formação técnica em Produção Audiovisual pela FAETEC. Atualmente divide a vida entre pesquisas em Humanidades Digitais e o portal Disconversa, onde contribui como editor, colunista e webmaster, assim como produtor e editor de áudio no Disconversando. Entre opiniões polêmicas e informações obscuras, enxerga em um disco do Cartola a mesma beleza que no Metal Machine Music do Lou Reed.

Deixe um comentário