Os discos da semana #77 (14/08 a 20/08)

Salve, discólatra!

Nessa última semana escutamos 12 álbuns / EPs e 24 singles, que fazem parte da nossa playlist. Da MPB ao hardcore, do pop ao post rock, você encontra tudo de mais legal aqui no Disconversa!

Não deixe de seguir a nossa playlist de lançamentos, ela é atualizada semanalmente por Jônatas Marques e Vitor Silveira. A capa é de William de Abreu. Bora conferir?

Felipe S, Gaby Guerra, Luiza Goto, OElefante, Rosana Puccia, Roseane Santos & Luciano Faccini e Tartamudo lançaram clipes que valem o confere, basta clicar no nome de cada artista para assistir!


Entre álbuns, EPs e singles, alguns destaques da curadoria:

Daniel Stringini – Transversal De Um Lugar Que É Noite por Jônatas Marques
Daniel Stringini, é artista e etnomusicólogo do Rio de Janeiro. Transversal De Um Lugar Que É Noite, seu primeiro álbum, é uma viagem com um tom muito pessoal e aconchegante através das teclas de pianos e teclados. O disco é todo feito apenas com esses instrumentos e é surpreende a variedade harmônica em cada faixa. Mesmo se você não é tão entusiasta ou conhecedor desses instrumentos – como esse que vos fala – vale a pena experimentar a viagem que esse álbum é capaz de proporcionar.


OElefante – Abismo Crônico por Vitor Silveira
E se o Dead Fish soasse mais como Black Flag? Não sei se é coisa da minha cabeça, mas é o que acontece na minha cabeça quando dou play em OElefante, banda formada por Rodrigo Lima, Marco Melloni, Marcelo Buteri, Gustavo Buteri e Murilo Almeida, respectivamente 2 integrantes e 3 ex-integrantes do Dead Fish. O som é tão direto e tão sem cerimônia quanto você possa estar imaginando.


Valciãn Calixto – Macumbeiro 2​.​0
Terceiro trabalho do artista piauiense, Macumbeiro 2​.​0 foi completamente gravado, mixado e masterizado por Valciãn Calixto. De cunho didático/pedagógico, Valciãn toca em pontos muitas vezes tabu e racistas ao passo que analisa, reverência e cultua a espiritualidade afroindígena fortemente presente nos terreiros, em especial, os do Norte e Nordeste do Brasil. O artista também discute a incorporação de ferramentas tecnológicas do nosso tempo como uso de celulares, lives, paredão de som, rádio ao dia a dia das macumbas, benefícios e cuidados que esses artifícios podem agregar às ritualísticas.


V/A – Discografia Caipirópolis Volume 3 por Vitor Silveira
Discografia Caipirópolis é uma série de coletâneas de bandas de SP que não estão na capital. As coletâneas são organizadas pela galera do fundamental zine virtual Bus Ride Notes e conta com as bandas e artistas acho melhor não, Aldersgate, Ceano, Crime Caqui, Depois da Tempestade, Eugênio, Infante, Íntimo Cotidiano, Jupta, Letty, Nosedive, Os Últimos Escolhidos do Futebol, Personas, Quarto Escuro, ventilas, Ventos, WRY e Zero To Hero.


Entre os singles, Jônatas Marques destaca:

Albedo, de Polvö
Albedo é o novo single da Polvö, que é um coletivo de artistas de Porto Alegre e Salvador. Durante os seus 18 minutos de duração, Albedo te leva em uma experiência sonora não tradicional, carregada de ruídos e impactantes graves de fundo. O novo single é daqueles que desperta a curiosidade, tanto para conhecer a identidade dos artistas do coletivo quanto para descobrir o que a Polvö pode inventar nos próximos lançamentos. Estaremos de olho.

destruir as máquinas que me esgotam, de Dramón & look ma! no wings
destruir as máquinas que me esgotam é o mais novo single da parceria entre Dramón, que é o projeto de música experimental e eletrônica de Renan Vasconcelos, e look ma! no wings, projeto do produtor Saulo von Seehausen. A dupla já havia lançado um single em 2021, faixa que também vale dar uma escutada. Esse novo trabalho percorre diferente e gostosos timbres de guitarras, synths e baterias eletrônicas – e a capa, feita por Vinícius Massolar, está lindíssima.

Countergambit, do Tartamudo
O duo brasiliense Tartamudo chegou com um lançamento cheio de conceitos chiques: o single Countergambit. A ideia foi inspirada na partida de xadrez entre Garry Kasparov (campeão mundial) e Deep Blue (um computador). Deep Blue venceu. A premissa do single aborda justamente isso: Máquina vs. Humano. Além de outras ideias pensadas pela dupla, como a mesma quantidade do número de casas no Ableton e em um tabuleiro de xadrez; o título “A loop is a loop is a loop” do próximo disco; e o clipe que simula essa partida de xadrez de 1996 (veja aqui). O single também possui três versões lançadas nas plataformas, aproveite!

Vitor Silveira destaca:

Uma flor, de André Gardel
Uma balada MPB-pop cuja letra resgata, por meio do procedimento da variação sobre o mesmo tema, a imagem da flor como símbolo do amor. A concepção das estrofes e do refrão esboçam um jogo caleidoscópico, como se fossem as pétalas da flor em rotação, entre as fases do dia – manhã, tarde, noite – e as mudanças de estado que o sujeito amoroso atravessa para se iluminar e se abrir “ao que é: uma flor”.

Umbigo Digital, de Felipe S com Juçara Marçal
Primeiro single do próximo disco de Felipe S, chamado Espelhos. O disco está em campanha de financiamento coletivo no Catarse, com recompensas que vão desde a versão demo da música em wav até um kit com ecobag, livro de cifras e vinil. Clique aqui para colaborar!

Nos Últimos Graus, de Roseane Santos & Luciano Faccini
Um samba funk inspirado no universo do samba rock e de artistas como Banda Black Rio, Bebeto, Luis Vagner, Cassiano, entre outros. O single integra o álbum inédito da dupla, intitulado Livro Vivo, e assim como todas as canções do álbum, Nos Últimos Graus é um poema astrológico escrito por Faetusa Tirzah e musicado por Luciano.


Leia a bula:

Álbuns e EPs
1. Bnny – Everything
2. Daniel Stringini – Transversal De Um Lugar Que É Noite
3. Gaby Guerra – I(sol)amento
4. Matheus Who – A Dobra no Espaço-tempo
5. Niles – Owl
6. OElefante – Abismo Crônico
7. Pessoa – Não Fique Jururu
8. Polvö – Albedo
9. Puppi – Em Nome da Mãe (Original Soundtrack)
10. tsé-tsé – Sorvedouro
11. Valciãn Calixto – Macumbeiro 2​.​0
12. V/A – Discografia Caipirópolis Volume 3

Singles
1. André Gardel – Uma Flor
2. Borealis – Interstellar Overdrive
3. Cidade Azul – Cidade Azul
4. Clarissa – nada contra (ciúme)
5. Dramón & look ma! no wings – destruir as máquinas que me esgotam
6. Felipe S & Juçara Marçal – Umbigo Digital
7. Flavia K & Flora Piquerobí – Lua Nova
8. Giovanna Mottini – Lua
9. homeninvisivel – Todo Sonho Se Destrói
10. Luiza Goto – Não Vou Mais Cantar
11. Pedro Bienemann – Penso em Você
12. Pratanes – Égide
13. Rogério Skylab – As coisas que ficaram por dizer
14. Rosana Puccia – Right Away
15. Roseane Santos & Luciano Faccini – Nos Últimos Graus
16. Tartamudo – Countergambit
17. The Baggios – Deixa Raiar
18. The Weapon They Fear – Profit
19. Tripa Seca & Getúlio Côrtes – Não Peida no Amor
20. Tuuh & Edu Resende – Lástimas
21. Versa Libertália – Um mais Um
22. Xiu Xiu – A Real Indication
23. Zeferina & Zudizilla – Flor de Oxalá
24. Zillermano, Marcelinho da Lua, BNegão, Tonho Crocco & Antônio Neves – Na Neblina


Continue usando máscara e, sempre que possível, mantenha o isolamento social. Vá vacinar quando for a sua vez e não ouça o atual presidente.

Aquele abraço e até semana que vem!

Vitor Silveira

Vitor Silveira

Vitor Silveira, é graduado em Biblioteconomia pela UFRJ, e também tem formação técnica em Produção Audiovisual pela FAETEC. Atualmente divide a vida entre pesquisas em Humanidades Digitais e o portal Disconversa, onde contribui como editor, colunista e webmaster, assim como produtor e editor de áudio no Disconversando. Entre opiniões polêmicas e informações obscuras, enxerga em um disco do Cartola a mesma beleza que no Metal Machine Music do Lou Reed.

Deixe um comentário