Os discos da semana #80 (04/09 a 10/09)

Salve, discólatra!

Nesses últimos dias, escutamos 12 álbuns / EPs e 20 singles, que fazem parte da nossa playlist. Do emo ao hip hop, da MPB a synthwave, você encontra tudo aqui no Disconversa!

Não deixe de seguir a nossa playlist de lançamentos, ela é atualizada semanalmente por Jônatas Marques e Vitor Silveira. A capa é de William de Abreu. Bora conferir?

Aiace & Mestrinho, Escombro, Liniker, Paolo Ravley e Power Supply lançaram clipes que valem o confere, basta clicar no nome de cada artista para assistir!


Entre álbuns, EPs e singles, alguns destaques da curadoria:

Charlotte Matou um Cara – Atentas por Vitor Silveira
Nos poucos mais de 20 minutos do segundo álbum da banda paulista de punk feminista, Camis, Dea, Dori e Nina entregam uma mensagem retíssima contra o fascismo, o machismo e a direita que aflige o país o mundo. Mercenárias, Dominatrix, Ratas Rabiosas, Amelinha Teles, Dilma Rousseff e Simone de Beauvoir são algumas das figuras femininas evocadas no decorrer das músicas, citando aqui Emília Viotti da Costa: “Um povo sem memória é um povo sem história. E um povo sem história está fadado a cometer, no presente e no futuro, os mesmos erros do passado“. Lançado no emblemático e maldito dia 07/09/2021, o álbum foi viabilizado através de uma vaquinha, reafirmando a força coletiva da banda.


Julles – Interior por Jônatas Marques
Lançado pelo selo LIFE’s TOO SHORT, Interior é o primeiro EP de Julles, projeto feito pela compositora, cantora e multi-instrumentista Júlia Felix. A artista já lançou dois singles nos streamings e um clipe feito em casa (veja aqui). As 5 faixas de Interior passam uma sensação de intimidade e introspecção, tudo isso traduzido em timbres vezes melancólicos, vezes calmos. Com fortes influências do dream pop, a própria Júlia se diz inspirada também por outros nomes que não são da música, como a artista surrealista Florence Henri e os cineastas Tscherkassky, Ingmar Bergman e Andrey Tarkovsky. Só por essa descrição eu já ficaria muito curioso para ouvir Interior.


Made in Mars – Made in Mars por Jônatas Marques
Esse foi um álbum que desde os primeiros segundos eu fiquei interessado pelo o que vinha a seguir e assim acabei repetindo e repetindo algumas vezes. Made in Mars foi gravado, mixado e masterizado por Rodrigo Coelho, músico oriundo da Baixada Fluminense e que já fez parte da banda Orelha Seca e idealizou o projeto Interphone. O que mais me marcou nesse álbum foi a voz de Rodrigo, me dando leves lembranças de Gram e Ventre, mas não é só isso que chama a atenção nesse trabalho. Made in Mars me parece um álbum triste e bem pessoal e nada melhor do que expressar isso com timbres pesados e profundos, linhas melódicas mais diretas e muita influência de stoner rock. Made in Mars também é o nome desse projeto de Rodrigo, lançado pela Jambre Records.


Roseane Santos & Luciano Faccini – Livro Vivo por Vitor Silveira
Livro Vivo é o capítulo inaugural de uma série de 3 EPs, que terão 4 canções cada. Nestes lançamentos, Roseane Santos e Luciano Faccini fundem poesia, astrologia e canção com músicas compostas por Luciano a partir de textos da artista e astróloga Faetusa Tirzah. Você pode conferir muito mais sobre o EP e o projeto na entrevista que a Carolina Alves nesse link!


Taco de Golfe – Memorandos por Jônatas Marques
Depois de diversos singles e EPs isolados, a banda instrumental Taco de Golfe lança o seu álbum Memorandos com 15 (!) músicas, mas que não somam muito mais que 36 minutos de duração. Um aspecto que me deixou preso nessas 15 músicas e repetindo e repetindo é como as músicas transitam tão facilmente entre diferentes ideias, sem precisar de uma estrutura de “começo, meio e fim” para cada faixa. Você pode ouvir um conjunto de fragmentos separados, mas que conversam muito bem, ou uma gigantesca e maluca música de 36 minutos e 10 segundos. Entre os shows que mais aguardo “depois da pandemia” é o da banda sergipana Taco de Golfe. Se você não conhece, deveria. O lançamento é pela Balaclava Records.


Entre os singles, Jônatas Marques destaca:

Chão de Taco – Adiante (ouça aqui)
O mais legal de acompanhar os lançamentos toda semana é descobrir bandas como Chão de Taco. Adiante é o mais novo single, mas um EP já foi lançado nesse ano – também recomendo ouvir. Como a própria banda se define, Adiante é um rock triste, mas com uma pegada mais pesada que bandas como Terno Rei e não tão suja como Transgordura, por exemplo. As letras são simples, mas ficam na sua cabeça; e o quarteto alterna suas músicas com vozes masculinas e femininas, algo que eu gosto na maioria das bandas que fazem isso. Já entrou na minha lista de artistas no Spotify e não vejo a hora de um novo EP.

Enzo Borges – nineteen (ouça aqui)
Esse é um destaque não só pelo lançamento, mas por todo o trabalho do artista. Enzo Borges começou a compor aos 12 anos e, além do trabalho solo, ele faz parte da banda Baluart. Nineteen é o seu segundo single quase em sequência, já que you saiu no dia 27 de agosto. Só ao ouvir essas duas faixas já dá para ter uma ideia da identidade de Enzo como artista e os estilos diferentes que ele percorre com dois lançamentos que vão em direções opostas. Ainda não sei do que gosto mais, se é a voz de Enzo e como ele trabalha os backing vocals, o timbre gostoso da sua guitarra ou a vibe comfy e esperançosa de suas músicas. Vale muito conferir, seguir e acompanhar o Enzo, foi uma surpresa agradável por aqui. O título do novo single, nineteen, também dá nome ao álbum de estreia do artista.

Orions Belte & Chris Holm – Holy Water (ouça aqui)
Orions Belte é aquele tipo de banda que você desconfia que seja brasileira até descobrir que é de um lugar bem aleatório: Noruega. Isso, talvez, seja devido à versão de Tudo Que Você Podia Ser do Clube da Esquina que foi lançada pela banda no final de 2020. Holy Water é um feat com Chris Holm, que faz parte da banda, mas agora está voltando com o seu projeto solo – seu último lançamento foi em 2013. O single tem uma pitada de Badbadnotgood, mas sem perder a cara de Orions Belte. É uma banda que aqueles que não conhecem, deveriam.


Vitor Silveira destaca:

LABRADOR – Um Devaneio no Centro do Rio de Janeiro (ouça aqui)
LABRADOR é uma banda de um único membro, Theo Ladany (das bandas Antiética e Um Quarto (¼)), que se define como banda por contar com a ajuda de amigos para materializar as canções. A banda estreia pelo promissor selo paulista Big Cry Records com o single “Um Devaneio no Centro do Rio de Janeiro“, uma bossa nova emo (ou um emo com levada de bossa nova?) que versa sobre a solidão em meio a multidão de uma forma extremamente visual, tendo como fio que conecta tudo a imagem do centro do Rio de Janeiro.

Löis Lancaster – O Buraco Sugou (ouça aqui)
O novo single de Löis Lancaster (vocalista e compositor da clássica Zumbi do Mato) me traz uma imagem que – infelizmente – tem sido muito familiar, evocado no release de lançamento do single: “buraco amplamente relacionável com as imagens recentes de fenômenos astronômicos e com o atual abismo virótico mundial, e fascista nacional, em que estamos atolados”. Sonoramente a música te joga numa levada caótica anos 80 na escala Bohlen-Pierce, quer mais? “Tudo que é meu buraco vomite de volta”!


Leia a bula:

Álbuns e EPs
1. Caburé Canela – Cabeça de Cobre
2. Charlotte Matou um Cara – Atenta
3. Cris Braun – Quase Erótica
4. Escombro – Cicatrizes (Ao Vivo na Jai Club)
5. Jan Santoro – Quem Vai Dizer Que Quis Assim II
6. Juliana Linhares – Juliana Linhares ao vivo na Gira Geral (Ao Vivo)
7. Julles – Interior
8. Liniker – Indigo Borboleta Anil
9. Made in Mars – Made in Mars
10. Paulo Tó – Galope
11. Roseane Santos & Luciano Faccini – Livro Vivo
12. Taco de Golfe – Memorandos

Singles
1. 1983 – O Riso da Hiena
2. 4n4 Not Found – Tired
3. Aiace & Mestrinho – Quando a Gente se Vê
4. Alice Caymmi – Serpente
5. BENE BENE – Soneto de Exu / Solta o Barco no Mar
6. Blubell – Música Solar Compacto
7. Chão de Taco – Adiante
8. Danilo Penteado, Lívia Nestrovsky & Lívia Mattos – Minha Pipoca
9. Edi Rock, Ney Matogrosso & Linn da Quebrada – Nada Será Como Antes
10. Enzo Borges – nineteen
11. Gui Flor – Júpiter
12. Jennifer Souza – Ultraleve
13. LABRADOR – Um Devaneio no Centro do Rio de Janeiro
14. Löis Lancaster – O Buraco Sugou
15. MEL – Mutante
16. Murillo Rosa – Girl
17. Ocres de Nante – Café Passado
18. Orions Belte & Chris Holm – Holy Water
19. Paolo Ravley – Auê
20. Power Supply – I Won’t Let You Go


Continue usando máscara e, sempre que possível, mantenha o isolamento social. Vá vacinar quando for a sua vez e não ouça o atual presidente.

Aquele abraço e até semana que vem!

Vitor Silveira

Vitor Silveira

Vitor Silveira, é graduado em Biblioteconomia pela UFRJ, e também tem formação técnica em Produção Audiovisual pela FAETEC. Atualmente divide a vida entre pesquisas em Humanidades Digitais e o portal Disconversa, onde contribui como editor, colunista e webmaster, assim como produtor e editor de áudio no Disconversando. Entre opiniões polêmicas e informações obscuras, enxerga em um disco do Cartola a mesma beleza que no Metal Machine Music do Lou Reed.

Deixe um comentário