Os discos da semana #89 (06/11 a 12/11)

Salve, discólatra!

Nesses últimos dias, escutamos 20 álbuns / EPs e 20 singles aqui no QG do DCV!

Não deixe de seguir a nossa playlist de lançamentos, ela é atualizada semanalmente por Jônatas Marques e Vitor Silveira. A capa é de William de Abreu. Bora conferir?

CALI, Elisa Fernandes, Guinebissau, Joaoeascoisasnaoessenciais, Luciane Dom, ventilas, Yasmin Umbelino e YMA lançaram vídeos que valem o confere, basta clicar no nome de cada artista para assistir!


Entre álbuns, EPs e singles, alguns destaques da curadoria:

Cólera – Cólera no Estúdio Showlivre (Ao Vivo) por Vitor Silveira
Esse destaque não é só pelo Cólera ser parte fundamental da minha formação pessoal e musical, mas também por ser um baita de um apanhado da carreira da banda. Em Cólera no Estúdio Showlivre escutamos a banda desfilar clássicos atrás de clássicos, desde músicas do fundamental Pela Paz em Todo Mundo (1989) até o que já nasceu com cara de clássico Acorde! Acorde! Acorde! (2018). Deixe a terra em paz e ouça bem alto!


Elefante Cinza – O Riso dos Que Não Choram por Jônatas Marques
As primeiras camadas de O Riso dos Que Não Choram já me fizeram parar de fazer o que estava fazendo para selecionar o disco como um dos meus destaques da semana. As diferentes guitarras, linhas de baixo muito inventivas e uma bateria que traz empolgação para as músicas foram suficientes para tornar um álbum simples em algo diferenciado. Apesar de adorar os momentos de banda tocando no disco – e ser contra brasileiros fazendo letras em inglês rsr – a faixa The Meeting me pegou de uma forma incrível. Me vi conversando e falando sobre esse álbum do Elefante Cinza como converso com meus amigos músicos independentes, há muita aproximação com o universo que gosto de descobrir. Elefante Cinza é um projeto de Rodrigo Andrade, produtor e compositor que já abriu shows ou tocou com artistas como Francisco El Hombre, Ventre e Maglore.


Guinebissau – Talvez Pode Ser Quem Sabe por Jônatas Marques
Confesso que ao começar a ouvir Talvez Pode Ser Quem Sabe eu fiquei meio receoso “Rock? Quem lança Rock em pleno 2021? hehe”. Porém, tinha ali alguma coisa me falando para conhecer um pouco mais da banda, até que encontrei a bio no Spotify: “…o Guinebissau fez do porão da vó um estúdio improvisado. Microfones emprestados, bateria remendada, guitarra suando, calor do Rio de Janeiro e ventilador no máximo: assim surgiram os primeiros quatro sons do duo.” Não podia me identificar mais!
O EP marca a dupla da dupla carioca e navega nesta sonoridade caseira, além de explorar muito do stoner rock, tudo isso sem perder a qualidade e, claro, a liberdade de não se prender em muitos rótulos. Vale a pena conhecer e acompanhar o projeto, não vejo a hora de um show pra conferir essa doideira ao vivo.


throe – Throemastism por Vitor Silveira
Throematism é um nome criado a partir de um neologismo do psicanalista francês Jacques Lacan, em que ele combina as palavras trou (buraco, em francês), e traumatisme (traumatismo). Foi com essa invenção que ele inseriu o trauma no campo da linguagem, caracterizando-o como aquilo que escapa de qualquer representação, inclusive nos deixando sem palavras“. Acho que não teria como não começar com essas aspas, para explicar o conceito por trás do projeto do músico Vina (Vinicius Castro), guitarrista da banda Huey, outra das favoritas aqui da casa. “Throematism é a forma de tentar nomear, ainda que na forma de tentativas, algumas dores inclassificáveis de nosso tempo”, ele explica. Cada faixa de Throematism traz influências que esbarram no post-rock de bandas como Red Sparowes e Mogwai, no shoegaze do My Bloody Valentine, no post-punk/gótico do The Cure e Fields of the Nephilim, e nas variações do metal, passando por nomes como Celtic Frost, Paradise Lost, Godflesh, entre outros. Tudo isso acontece sob o verniz de uma espécie de mantra que resultam em paisagens, camadas e lindas ambiências.


Entre os singles, destacamos:

Halleck – Tarde Demais (ouça aqui) por Jônatas Marques
Bisbilhotando a lista de lançamentos da semana, me deparei com um nome legal e resolvi dar play só para sacar a sonoridade. Posso dizer tranquilamente que não tinha como um som encaixar tão bem com a alcunha Halleck. O single Tarde Demais alterna timbres graves durante seus versos, traz uma guitarra suja e escondida e outra com um riff chiclete na sua cara. Sem contar a letra, cantada por uma voz meio futurística de um forma que o trecho “Nem Sempre é Tarde Demais…” gruda na sua cabeça em segundos. “Halleck” é o projeto solo do baixista carioca (radicado em São Paulo) “Thiago Halleck”. Famoso por tocar em várias bandas importantes do underground / post-punk nacional, entre elas “Gangue Morcego”, “1983” e agora também no “Das Projekt” (clássica banda gótica dos anos 90). O lançamento de Tarde Demais é pela Paranoia Musique.

Umbilichaos – Anchor (ouça aqui) por Vitor Silveira
Umbilichaos é uma prolífica banda de uma mulher só, Anna C. Chaos, que passeia pelo noise- doom/psychedelic post-hardcore em faixas que, muitas vezes, ultrapassam os 10 minutos. Escutamos ecos de Jesu, OM, Earth e ruídos afins. O single Anchor inaugura um projeto ambicioso: Redux, que será executado pela próxima década, onde Anna regravará seus 8 primeiros álbuns e singles, anulando as versões originais. Umbilichaos faz parte do cast da Sinewave, um dos selos favoritos da casa!

Ventilas – Contraindicação (ouça aqui) por Jônatas Marques
Ventilas é uma das bandas que mais fiquei feliz quando descobri. Depois de um álbum, Brinks (2018), e diversas apresentações no Youtube, a banda lança seu novo single: Contraindicação. A música já havia sido “revelada” em um dos vídeos da banda no Lobotomia Session, canal que promove diversos artistas independentes. Porém, nessa versão ao vivo era apenas guitarra e voz, mas agora a faixa ganhou uma bateria e uma vibe mais comfy. Esse estilo combinou com o clipe, lançado junto ao single e produzido, também, pelo Lobotomia, você pode conferir aqui: ventilas – contraindicação. Ventilas é uma das principais bandas de Sorocaba, é possível conhecer ainda mais a cena da cidade do interior através do canal do Lobotomia no Youtube. A ventilas está preparando o lançamento do seu novo álbum, que deve chegar em —(os fãs agradecem).


Leia a bula:

Álbuns e EPs
1. A Filial – A FILIAL apresenta Eddie Lolo
2. Camargo – roteiro
3. César Lacerda – Nações, Homens ou Leões
4. Céu – Um Gosto de Sol
5. Cólera – Cólera no Estúdio Showlivre (Ao Vivo)
6. Dezert Horse – Horizonte
7. Dudu Rezende – Tambor Grande: Ensaio Sobre o RUM
8. Elefante Cinza – O Riso dos Que Não Choram
9. FBC & VHOOR – BAILE
10. Guinebissau – Talvez pode ser quem sabe
11. Joaoeascoisasnaoessenciais – Ao vivo no Cultura em Toda Parte
12. Macaco Bong – Mondo Verbero
13. Rockers Control – Presenting to You – Rockers Control Apresenta Cristopher Dilovah
14. Rogério Varela – Infinito do Mundo
15. sobretvdo – sobretvdo
16. TAXIDERMIA – OUTRO VOLUME
17. Thiago Amud – São
18. throe – Throemastism
19. Versa Libertália – O Pódio
20. Wry – Reviver

Singles
1. Antonio Vieira e seus Nascimentos – Contemporaneidade
2. CALI – Sem Tempo
3. Cida Moreira – A Nobreza do Não
4. Clube das Exaustas – Exausta
5. Elisa Fernandes – Você Não Sabe O Que É Ser Preto
6. Gab Ferreira – karma
7. Halleck – Tarde Demais
8. Jomar Schrank – Eu Não Sirvo Pra Esses Dias
9. Jony Lameira – Ventos do Norte
10. Júlio Ferraz – Travessia Boa Viagem
11. Luciane Dom – Pode Ser às Dez
12. O Temporal – Maior
13. Saulo Duarte + Maurício Tagliari – Vida Mistério
14. Sergiopí – Nada Sem Você
15. Shitiago, P13BEU & Bruxonilda – Vitrine
16. Surra – Um Gole de Ácido
17. Umbilichaos – Anchor
18. ventilas – contraindicação
19. Yasmin Umbelino – Plexos
20. YMA – Aquilo Que Habito


Continue usando máscara e, sempre que possível, mantenha o isolamento social. Vá vacinar quando for a sua vez e não ouça o atual presidente.

Aquele abraço e até semana que vem!

Vitor Silveira
Últimos posts por Vitor Silveira (exibir todos)

Vitor Silveira

Vitor Silveira, é graduado em Biblioteconomia pela UFRJ, e também tem formação técnica em Produção Audiovisual pela FAETEC. Atualmente divide a vida entre pesquisas em Humanidades Digitais e o portal Disconversa, onde contribui como editor, colunista e webmaster, assim como produtor e editor de áudio no Disconversando. Entre opiniões polêmicas e informações obscuras, enxerga em um disco do Cartola a mesma beleza que no Metal Machine Music do Lou Reed.

Deixe um comentário